theblackgarden

Just another WordPress.com site

John Lydon dezembro 17, 2011

Filed under: Rock Stars — theblackgarden @ 6:22 am

John Joseph Lydon

(31 de janeiro de 1956), também conhecido como “Johnny Rotten”, é um cantor, compositor e apresentador de televisão inglês mais conhecido como vocalista das bandas Sex Pistols e PiL. Uma figura muito controversa, sempre demonstrou desprezo pela família real britânica assim como por outros assuntos como a educação segregada. A Q Magazine publicou o comentário de que “de alguma forma Lydon assumiu o status de tesouro nacional.

 

Filho de imigrantes irlandeses de uma área pobre de Londres, a maneira pessoal de se vestir fez o empresário Malcom Mclaren o convidar para se tornar vocalista dos Sex Pistols. Com a banda escreveu músicas como “Anarchy in the UK”, “God save the queen” e “Holidays in the sun”, conteúdo que precipitou a última e melhor revolta popular de pandemônio moral na Inglaterra.

 

A banda causou um tumulto de âmbito nacional em grande parte da mídia, que objetava o conteúdo das letras e a forma bizarra de Lydon, que incluía falar palavrões ao vivo na televisão (nessa mesma ocasião Steve Jones, guitarrista da banda, chama o apresentador Bill Grundy de “fucking rotter”). Devido à exposição da banda na mídia, Lydon foi visto como o cabeça do movimento punk pelo público em geral, mas a ideia não foi largamente sustentada pelo movimento punk em si. Apesar da reação negativa que eles incitaram, a ocasião é considerada como um dos atos mais influentes na história da música popular.

 

Lydon deixou os Pistols em 1978 para fundar outra banda, o Public Image Ltd. (PiL), que era de natureza muito mais experimental, e que foi descrita defensavelmente como a primeira banda pós-rock. Nunca teve o mesmo sucesso comercial dos Sex Pistols, a banda produziu 8 discos e alguns singles, incluindo “Death disco”, “Rise” e “Disappointed”, seguidos pela interrupção indefinida em 1993.

Nos anos subsequentes, Lydon foi o anfitrião de alguns programas de televisão no Reino Unido, EUA e Bélgica, e também escreveu uma autobiografia intitulada “Rotten: No Irish, No Blacks, No Dogs” (1993). Além disso produziu algum trabalho musical solo como o disco “Psycho’s Path” (1997). Nos anos 2000, Lydon retomou seu lugar como vocalista dos Sex Pistols e do PiL em algumas turnês de reunião.

Biografia

Começo da vida: 1956-1974

 

De acordo com sua certidão de nascimento, feita dois anos depois de seu nascimento, John Lydon nasceu em Londres — algo que ele admitiu ter suas dúvidas — em 31 de janeiro de 1956. Seus pais, John Christopher Lydon e Eileen Lydon, eram imigrantes irlandeses de classe operária, e se mudaram para um apartamento de 1 quarto com banheiro na rua na Benwell Road, Finsbury Park, um área no norte da cidade. Naquele tempo, Finsbury Park era muito pobre, com altas taxas de criminalidade e população largamente composta por imigrantes da Irlanda e Jamaica, que sofriam de abuso racial e xingamentos das comunidades vizinhas de ingleses nativos. John passava suas férias de verão no Condado de Cork, Irlanda, na casa da família de sua mãe, onde ele era provocado por ter sotaque inglês, um preconceito que ele observa que sofre ainda hoje quando viaja com seu passaporte irlandês.

 

 

 

John é o primogênito de quatro irmãos, os outros são James, Robert e Martin. Mesmo quando criança, sendo o mais velho, John tinha que cuidar dos irmãos porque sua mãe ficava frequentemente doente, devido à vários abortos. Quando criança, viveu próximo a um estado industrial, e podia frequentemente brincar com amigos nas fábricas quando estavam fechadas. Pertenceu a uma gangue local de crianças da vizinhança, tendo às vezes se envolvido em brigas com outros grupos, algo de que ele lembraria mais tarde:

“hilários fiascos, nem todos como as facas e armas de hoje. A mesquinharia não era lá. Era mais mais como gritas, atirar pedras e sair correndo rindo. Talvez a realidade era colorida pela minha juventude.” Se descrevendo como uma criança muito tímida e reservada que era nervosa como o inferno, ele odiava ir para escola, onde ele recebia punições corporais e onde passou por alguns incidentes embaraçosos… “I would shit my pants and be too scared to ask the teacher to leave the class. I’d sit there in a pants load of poo all day long.”

Quando ele tinha sete anos contraiu meningite e foi hospitalizado por um ano no hospital St. Anne em Highgate. Pelo decorrer desta experiência ele sofria de alucinações, náusea e dores de cabeça. O tratamento administrado pelas enfermeiras envolvia retirar fluido de sua espinha com uma agulha cirúrgica, algo que o deixou com uma curvatura permanente na espinha, e a meningite foi responsável também a dar a ele o que mais tarde descreveria como o “Lydon’s stare” (traduzido livremente como “Olhar arregalado de Lydon”). Para ele, essa experiência foi o primeiro passo para a estrada da podridão (“the first step that put me on the road to Rotten.”)

Sempre trabalhou com seu pai, Lydon conseguiu seu primeiro emprego aos 10 anos como despachante de minitáxi, algo que manteve por um ano enquanto a família estava com dificuldades financeiras. Ele não gostava de sua escola de secundário, a “Sir William of York Catholic School” em Islington, onde inicialmente foi intimidado, mas por volta dos 14 ou 15 anos de idade “quebrou a casca” e começou a brigar contra o que ele via como a natureza opressiva dos professores, por quem ele sentiu que instigava e encorajava as crianças a serem “anti-qualquer-um-que-não-saia-da-casca”. Complementando suas notas “Zero” seguidas ele teve um briga com seu pai que não gostava de seu cabelo comprido, e então, concordando em cortar, o adolescente não apenas cortou, mas num ato de rebeldia pintou de verde brilhoso. No crescer de sua adolescência, ele escutava na maioria bandas de rock como Hawkwind, Captain Beefheart, Alice Cooper e The Stooges — bandas que sua mãe também constumava gostar, um fato que de alguma maneira o deixava constrangido — assim como bandas mais mainstream como T. Rex e Gary Glitter.

Aos 15 anos, foi expulso da escola depois de uma briga com um professor, e subsequentemente foi para uma escola estadual, “Hackney and Kingsway Princeton College”, onde ficou amigo de John Simon Ritchie, que anos depois ficaria conhecido como “Sid Vicious”. Foi Lydon quem deu a ele o apelido, nomeando ele com o nome do hamster de seus pais. Lydon e Vicious começaram a invadir casas na saudável área de Hampstead com um grupo de hippies velhos e deixaram de se preocupar com a escola, que ficava muito longe de onde eles estavam morando.

Entretanto, começou a trabalhar em construções durante o verão, emprego no qual seu pai estava disposto a ajudar. Ele também conseguiu um emprego em uma escola infantil em Finsbury Park depois de ser recomendado para o trabalho por amigos. Foi aqui que ele ensinou carpintaria para algumas das crianças mais velhas, mas ele foi eventualmente despedido por causa de reclamações de alguns pais sobre alguém “estranho” com cabelo verde estar ensinando seus filhos.

Lydon e seus amigos, incluindo Sid, John Gray, Jah Wobble, Dave Crowe e Tony Purcell começarama a frequentar alguns clubes noturnos de Londres, como o “Lacey Lady” em Ilford, assim como clubes de reggae que primeiramente era divertimento somente para a comunidade negra, e clubes gays, que eram lugares, de acordo com Lydon, onde você poderia ser você mesmo, ninguém incomodaria você, e eles sempre tinham os melhores discos.

 

1975-1978: Sex Pistols e o movimento punk

 

Em 1975, Lydon estava entre um grupo de adolescentes que geralmente vadiavam na sex shop de Malcom Mclaren e Vivienne Westwood chamada SEX. Mclaren retornou de uma breve viagem com a banda americana New York Dolls, e estava trabalhando para promover uma nova banda formada por Steve Jones, glen Matlock e Paul Cook chamada Sex Pistols. Mclaren ficou impressionado com o visual esfarrapado de John, particularmente seus cabelos cor de laranja e sua camiseta modificada do Pink Floyd (com os olhos dos integrantes recortados e as palavras “I hate”(br. eu odeio) escritas com caneta hidrográfica acima do logo da banda). Depois de cantar desafinado a música “I’m Eighteen” de Alice Cooper acompanhando o jukebox da loja, Lydon foi escolhido como o frontman da banda.

 

Em 1977, a banda lançou “God Save the Queen” durante a semana do jubileu de prata da rainha do Reino Unido Elizabeth II.

Lydon tinha interesse em dub music. Mclaren disse que tinha ficado chateado quando Lydon revelou durante uma entrevista de rádio que suas influências incluiam rock progressivo, rock experimental como Magma, Can, Captain Beefheart e Van der Graaf Generator.

Atritos entre Lydon e o baixista Glen Matlock cresceram. As razões para isso são disputadas, mas Lydon diz em sua autobiografia que ele acreditava que Glen era muito colarinho branco e classe média e que Glen gostava de coisas “legais” como os Beatles. Glen diz em sua autobiografia que a maioria das discussões na banda, e entre ele mesmo e Lydon, era orquestradas por Mclaren. Glen saiu da banda, e como substituto, Lydon recomendou seu amigo de escola Sid Vicious. Apesar de Sid ser um músico incompetente, Mclaren concordou que ele tinha o visual que a banda queria: magrelo, pálido, com cabelo espetado, com roupas esfarrapadas e um sarcasmo perpétuo.

A relação caótica de Sid com a namorada e Nancy Spungen, e sua piora no vício em heroína, causaram um grande atrito entre os integrantes da banda, particularmente com Lydon que fazia comentários sarcasticos que exacerbaram a situação. Lydon encerrou a era-Sid Vicious no show em Winterland, São Francisco, datado em janeiro de 1978 com uma retórica pergunta ao público: “Ever get the feeling you’ve been cheated?, traduzido livremente como: “Já tiveram a sensação de serem traídos?”, pouco tempo depois, MClaren, Steve e Paul foram para o Brasil para conhecer e gravar um disco com o famoso ladrão de trem Ronald Biggs. Lydon recusou ir junto, zombando do conceito e sentindo que eles queriam fazer um herói de um criminoso que atacou maquinista e roubou dinheiro da classe operária.

A desintegração dos Sex Pistols foi documentada no documentário satírico e pseudo-biográfico de Julien Temple, “The Great Rock ‘n’ Roll Swindle”, no qual Steve, Paul e Sid eram um personagem. Glen apareceu somente em uma gravação prévia ao vivo e como uma animação e não participou pessoalmente. Lydon recusou ter qualquer coisa a ver com o “The Great Rock ‘n’ Roll Swindle”, sentindo que Mclaren tinha controle demais sobre o projeto. Apesar de ser muito criticado no filme, muitos anos depois ele concordou que Julien Temple dirigisse outro documentário, “The Filth and the Fury” (br: O lixo e a fúria) (2000). Esse documentário inclui novas entrevistas com os membros da banda escondidos em sombras, como se estivessem no programa de proteção de testemunhas. Em um ponto retrata uma emoção não característica de Lydon que perde a fala ao falar sobre a decadência e morte de Sid.

1978-1993: Public Image Limited, Time Zone e “Copkiller”

 

Em 1978, John fundou o PiL, que durou 14 anos com Lydon sendo o único membro permanente. A banda teve alguma aclamação crítica por seu álbum de 1979 “Metal Box”, também conhecido como “Second Edition”, e influenciou várias bandas do que viria a ser conhecido mais tarde como movimento de rock industrial. A banda foi louvada por sua inovação e rejeição por formas tradicionais de música. Red Hot Chili Peppers e Massive Attack citam o PiL como influência.

A primeira formação da banda incluía o baixista Jah Wobble e o guitarrista fundador do The Clash, Keith Levene. Eles lançaram os álbuns “Public Image” (também conhecido como “First Issue”), “Metal Box, e “Paris in the Spring” (ao vivo). Jah Wobble saiu da banda e Lydon e Levene gravaram “The Flowers of Romance”.

Depois veio “This is what you want… This is what you get” com a participação de Martin Atkins na bateria (ele também participou de “Metal Box” e “Flowers of Romance”), esse disco inclui seu maior sucesso, “This is not a love song”, que alcançou a quinto lugar nas paradas em 1983.

Em 1983, Lydon co-estrelou com Harvey Keitel no filme Copkiller (br: A ordem é matar). Enquanto o filme mostrou resultados, Lydon recebeu elogios por seu papel de garoto rico psicótico. Lydon iria atuar novamente muito ocasionalmente depois disso, como com um papel muito pequeno no filme de 2000, The Independent, e como o anfitrião do filme de skate, “Sorry” apresentando o Flip Skate Team.

Em 1984, Lydon trabalhou com a banda Time Zone no seu mais conhecido single, “World Destruction”. Uma colaboração entre John, Afrika Bambaataa e o produtor/baixista Bill Laswell, o single foi um exemplo antigo de rap rock, junto com Run-DMC. A música aparece na coletânea de 1997 de Afrika Bambaataa, “Zulu Groove”. John declarou em uma entrevista que a gravação foi muito rápida, que eles entraram em uma sala, colocaram uma batida de bateria em uma máquina e quatro horas e meia depois a “coisa toda” estava pronta.

O single também contava com participação de Bernie Worrell, Nicky Skopelitis e Aïyb Dieng. Todos eles mais tarde tocariam nas gravações do disco “Album” do PiL, inclusive Bill Laswell tocou baixo e produziu o disco. “Album” foi lançado em 1986 (também conhecido como “Compact disc” e “Cassete”). A maioria das faixas foi escrita por John e Bill Laswell. A banda era formada por músicos de estúdio incluindo o baixista Jonas Hellborg, o guitarrista Steve Vai e o baterista do Cream, Ginger Baker. Como o disco anterior, este também trouxe um hit, o hino antiapartheid “Rise”.

A apresentação da banda no programa de tv “American Bandstand” mostrou Lydon desprezando as dublagens e dançando com o membros da plateia.

Em 1987 uma nova formação consistia em Lydon, o guitarrista John McGeouch ex-integrante das bandas Magazine, Siouxsie & The Banshees e The Armoury Show, Alan Dias no baixo e na bateriaBruce Smith e Lu Edmunds. Essa formação lançou “Happy?” e todos exceto Lu Edmunds lançaram o disco “9” em 1989.

Em 1992, Curt Bisquera e Gregg Arreguin se juntaram à banda, tocando bateria e guitarra, respectivamente, para o álbum “That what is not”. Esse álbum também contava com a participação de Tower of Power em duas músicas e Jimmie Wood na harmônica. Nessa época a banda escreveu a música “Criminal” para o filme “Point Break”.

Em 1993, Lydon decidiu dar um intervalo indefinido ao PiL. Voltaram somente em 2009 com uma turnê pelo Reino unido, começando com um show em 15 de dezembro, na 02 Academy emBirmingham. A data coincide com o aniversário de 30 anos do lançamento do disco “Metal Box”. Em 2010, começaram uma turnê pela Europa em julho.

 

 

1993-2006: Disco solo, autobiografia e status de celebridade

 

Em 1993, a primeira autobiografia de John, “Rotten: No Irish, No Blacks, No Dogs”, foi publicada. Com o auxílio de Keith e Kent Zimmerman, e com contribuições de pessoas incluindo Paul Cook,Chrissie Hynde, Billy Idol e Don Letts. O livro cobre sua vida até o fim dos Sex Pistols. Descrevendo o livro, ele disse que é o mais perto da verdade que qualquer um pode chegar, lembrando dos fatos do passado, todas as pessoas no livro estavam lá realmente, e esse livro é muito mais um ponto de vista delas do que meu. Em dezembro de 2005, Lydon disse à Q que ele estava trabalhando em uma segunda autobiografia para cobrir os anos de PiL.

No meio dos anos 90, Lydon apresentou o “Rotten Day”, uma peça dramática de rádio diária escrita por George Gimarc. O formato do programa era como uma recordação de eventos na música popular e cultura ocorridos no dia da transmissão, aos quais Lydon fazia comentários cínicos.

Em 1997, John lançou o disco solo “Psycho’s Path” pela Virgin Records, ele escreveu todas as músicas e tocou todos os instrumentos. Em uma das músicas, “Sun”, ele canta os vocais por um rolo de papel higiênico. O disco não teve boas vendagens e teve reviews variados pela crítica. A versão americana inclui um remix de Letfield da música “Open up”, dos Chemical Brothers com os vocais de Lydon. Essa música pode ser ouvida durante o menu principal do jogo de computador “All Star Baseball 2000” (Acclaim Enterteinment). A música também virou hit em clubes nos EUA e naInglaterra. Lydon gravou um segundo disco solo, mas não foi lançado. Apenas uma música do disco foi lançada no “The Best of British £1 Notes”.

Em novembro de 1997, John apareceu em Judge Judy brigando em um processo contra seu baterista Robert Williams por quebra de contrato, ataque e agressão física. Lydon ganha o caso, apesar de a juíza Judith Sheindlin não ter ficado muito impressionada com o jeito bizarro de Lydon e ter mandado ele ficar em silêncio algumas vezes.

Em 2000, John apresentou o programa “Rotten TV” pelo canal VH1. O programa oferecia seus comentários ásperos sobre a política americana e cultura pop. Em uma das apresentações ele zombou de Neil Young por não ter aparecido no programa, debochando da maneira de cantar de Neil Young e apontando que Young certa vez o proclamou como “O Rei” na música “Hey Hey, My My”.

Em 2003 apareceu como participante de uma mesa redonda em um episódio do programa “Belzer Connection” (Richard Belzer) sobre teoria da conspiração. O episódio colocou em questão de a conspiração estar envolvida na morte da Princesa Diana. Lydon colocou como seu ponto de vista de que se a família real britânica quisesse assassinar alguém, eles já teriam se livrado dele há muito tempo.

 

 

Em janeiro de 2004, John apareceu no reality show “I’m a celebrity… Get me out of here!” feito na Austrália. Ele provou que ainda possui a capacidade de chocar, chamando os espectadores do programa de “fucking cunts” durante as transmissões ao vivo. A reguladora de televisão e o canal que reproduzia o programa, a ITV receberam 91 reclamações sobre o linguajar de John.

Em fevereiro de 2004, em entrevista com o jornal escocês “Sunday Mirror”, John disse que ele e sua esposa, “deveriam estar mortos”, desde 21 de dezembro de 1988, graças ao atraso de sua mulher ao fazer as malas, eles perderam o acidente do voo Pan AM (Pan AM Flight 103). Durante essa entrevista, John disse que a real razão por ter saído do reality show, foi ter medo pelo incidente com o Pan AM e a apavorante recusa dos criadores do programa de dizerem se sua mulher tinha chegado em segurança à Austrália. Em uma entrevista prévia ao primeiro episódio do programa, ele descreveu como “idiota”, e durante o programa ele mostrou uma atitude de indiferença em continuar e ameaçou sair para rua em inúmeras ocasiões. Trinta horas seguidas após a saída da ex-estrela de futebol americano, Neil Ruddock, John saiu do programa por razões indefinidas, apesar de estar visivelmente furioso com a atriz Katie Price. Os jornais britânicos alegaram que Lydon venceu uma aposta de £100 com Ruddock para ver quem continuava por mais tempo no programa. Lydon, por sua vez disse à imprensa que ele sentiu que iria vencer o programa de qualquer maneira e seria injusto às outras celebridades o fato de ele vencer.

Depois do reality show, ele apresentou um documentário sobre insetos e aranhas chamado “John Lydon’s Megabugs” que foi exibido no Discovery Channel. “Radio Times” descreveu ele como mais entusiasta do que expert. Ainda veio a apresentar outros dois programas: “John Lydon Goes Ape” no qual ele procurava gorilas na África Central, e “John Lydon’s Shark Attack” no qual ele nadou com tubarões na África do Sul.

Em 2005, ele apareceu em “Reynebeau & Rotten”, um documentário de cinco episódios no canal Canvas, no qual guiava o jornalista Marc Reynebeau pela grã-bretanha em um chauffeured (modelo de carro Rolls-Royce), indo a lugares tipicamente britânicos. Quando perguntado por que ele havia sido escolhido como guia, John respondeu que ele era o mais barato disponível. Depois de o programa ter ido ao ar, John clamou em uma entrevista de uma popular revista belga (HUMO), que ele estava muito insatisfeito com a maneira com que fizeram a pós-produção e estava furioso com a maneira com que eles o representaram no programa. Ele disse que os criadores mostraram principalmente seu humor e palhaçadas, ao invés de focar nas suas opiniões pessoais e discussões filosóficas que ele teve com Marc Reynebeau. Ficou mais furioso ainda pela companhia de produção ter usado músicas do catálogo do Sex Pistols sem consultar todos os membros remanescentes da banda, inclusive ele próprio.

No final de 2008, John apareceu em uma capanha publicitária para a Country Life, uma marca popular de manteiga, na televisão britânica. John foi fortemente zombado como vendido por esse ato. John se defendeu dizendo que participou da campanha declarando que a principal razão pela qual aceitou a oferta foi para levantar fundos para reformar o Public Image Ltd. sem um contrato com gravadora. A campanha se mostrou muito bem sucedida, com vendas acima da média atingindo 85% no trimestre seguinte, ao que muitos na mídia atribuíram à presença de John.

2006-2009: Sex Pistols revival

 

Apesar de John passar anos negando furiosamente que o Sex Pistols tornariam a tocar juntos, a banda se reuniu (com Glen Matlock no baixo) nos anos 90, e continua se apresentando ocasionalmente. Em 2004, John recusou que a gravadora Rhino Entertainment incluísse qualquer música dos Sex Pistols no box set No Thanks!:The 70’s Punk Rebellion. Em 2006, o Rock and Roll Hall of Fame indicou o Sex Pistols, mas a banda se recusou a ir à cerimônia ou reconhecer a indicação, reclamando que foi pedido a eles uma grande soma de dinheiro para comparecer. e declarando que isso ia contra tudo que a banda representa.

Em junho de 2007, John, Steve e Paul regravaram “Preety Vacant” em um estúdio em Los Angeles para o video game “Skate”. Também regravaram “Anarchy in the UK” para o vídeo game “Guitar Hero III: Legends of Rock”. Em setembro de 2007, Lydon anunciou que os Sex Pistols iriam fazer um show para celebrar os 30 anos de “Nevermind the Bollocks” na Brixton Academy em Londres dia 8 de novembro. Devido à grande demanda, foram marcados mais 4 shows extra, assim como outros shows em Manchester e Glasgow.

Os Sex Pistols se apresentaram no festival Isle of Wight em 2008 como banda principal na noite de sábado. Também participaram no mesmo ano dos festivais: Peace and Love na Suécia, Electric Picnic na Irlanda, Live at Loch Lomond na Escócia, Heineken e Open’er Festival na Polônia, Paredes de Couraem Portugal, Traffic Free Festival na Itália e Exit Festival na Sérvia.

2009 – Reforma do PiL

Em setembro de 2009 foi anunciado que o PiL seria reformado, incluindo membros antigos como Bruce Smith e Lu Edmonds, para um número de shows de Natal no Reino Unido. Lydon financiou a reunião usando dinheiro que ganhou fazendo propagandas de televisão para uma marca de margarina. “O dinheiro que ganhei daquilo agora se foi completamente na reforma do PiL”, disse Lydon.

Vida pessoal

John é casado com Nora Forster, uma publicitária da Alemanha. Ele é padrasto da filha de Forster, Ari Up, que foi a cantora de uma influente banda pós-punk chamada The Slits. Mora atualmente em Los Angeles, Califórnia. Seus pais o criaram sob a religião católica, e levavam ele e seus irmãos à missa, mas ele diz que nunca teve qualquer adoração por epifanías ou pensou que Deus tem algo a ver com a ocorrência sombria chamada vida. Garante que manterá suas crenças ateístas para o resto da vida.

Desde que deixou os Sex Pistols ele fez sua fortuna através do desenvolvimento de propriedades.

Lydon é fã de Oscar Wilde desde que estudou sobre ele na escola, diz que ele era brilhante, que foi uma grande atitude se tornar o maior homossexual na Terra em um tempo em que isso era completamente inaceitável. “His stuff was fucking brilliant. What an attitude to life!… He turned out to be the biggest poof on earth at a time when that was completely unacceptable. What a genius.

fonte : http://pt.wikipedia.org/wiki/John_Lydon

 

 

By : The Black Garden

Anúncios
 

M. Shadows dezembro 15, 2011

Filed under: Rock Stars — theblackgarden @ 10:18 pm

Matthew Charles Sanders

(Huntington Beach, Califórnia 31 de julho de 1981), mais conhecido por seu nome artístico M. Shadows. É filho de Gary e Kim Sanders. Ele tem uma irmã mais nova chamada Amy. É atualmente o vocalista da banda de Metal Alternativo, Avenged Sevenfold.

Infância e família

Nascido e criado em Huntington Beach, expulso da escola muitas vezes por violência, não se sabe em qual série ele parou de estudar. Ele diz que seu pai é seu melhor amigo, e que ele realmente o admira.

Início

M. Shadows costumava tocar piano antes de começar a cantar em sua primeira banda, “Successful Failure”. Enquanto crescia, escutou um monte de punk rock como H2O e The Misfits e entrou na cena do metal quando seu pai comprou Appetite For Destruction do Guns N’ Roses depois de ter visto eles no Headbanger’s Ball da MTV’s. Nos anos seguintes,M. Shadows formou o Avenged Sevenfold com o guitarrista Zacky Vengeance. Zacky anteriormente era membro de um grupo punk denominado ‘MPA. Ainda na banda Successful Failure, M. Shadows escreveu a música “Streets” que mais tarde seria gravada no Avenged Sevenfold e divulgada no primeiro álbum, Sounding the Seventh Trumpet. O álbum foi um mix de metalcore e punk rock, mas também inclui um mais macio (Warmness On The Soul).

 

 

 

Avenged Sevenfold

M. Shadows declarou que ele tem um forte apoio das tropas que servem os Estados Unidos, depois que seus amigos estão em serviço no Iraque. A canção “M.I.A.” ( “Missing In Action”) teria sido escrita em homenagem a esses amigos. A canção “Gunslinger” manifesta-se ainda esses sentimentos, A música “Critical Acclaim” pode ser interpretado como um ataque à aqueles que criticam o país inteiro. M. Shadows fez aparições em vários álbuns de outros artistas, incluindo o primeiro álbum solo do famoso guitarrista Slash, lançado em 2010.

Casamento com Valary DiBenedetto

Em 2009, foi oficializada a união de M. Shadows com Valary DiBenedetto, sua melhor amiga e namorada desde a 6ª série. Valary costumava trabalhar para a banda no começo. Na festa, compareceram todos os componentes da banda (sendo esses os padrinhos do casamento, juntamente com um dos roadies da banda, Jason Berry), amigos do casal e familiares.

Estilo vocal

No álbum de estréia da banda, Sounding The Seventh Trumpet, O vocalista M. Shadows tinha uma influência pesada e metalcore consistia principalmente de gritos vocais. Este estilo foi diminuído gradualmente em álbuns posteriores com um vocal mais tênue.

 Após o lançamento de City of Evil um boato tinha se desenvolvido afirmando que a razão pela qual M. Shadows decaiu a gritar foi devido a ter rasgado uma corda vocal na parte traseira de sua garganta. No entanto, isso não é verdade. Shadows admitiu ter feito uma cirurgia na garganta para melhorar o alcance vocal, mas isso não foi motivo para a mudança e em uma entrevista no All Excess, afirma o gerente Larry Jacobson, Shadows tinha decidido que dois anos antes da tomada de City of Evil que seria um álbum todo de canto. Ele havia deixado claro para o produtor, Andrew Murdock, que o álbum que eles estavam trabalhando no momento do Waking the Fallen seria meia cantando e gritando, e que o próximo seria todo canto. No passado Shadows cantava em todas as partes das canções durante performances ao vivo, apoiando a teoria de que ele não era mais capaz de gritar ou rosnar. Talvez farto com todas aquelas acusações, Shadows retomou a gritar novamente durante shows, isso pode ser visto no novo DVD da banda ao vivo “Live in the LBC & Diamonds in the Rough “Em quase todos as músicas do DVD. Alguns de suas maiores influências musicais são Metallica, Iron Maiden, Pantera, Queen, Guns N’Roses e Van Halen, diz M. Shadows.

fonte  : http://pt.wikipedia.org/wiki/M._Shadows

” Shadows é definitivamente um vocalista espetacular, sua voz e sua atitude no palco impressionam e fazem um verdadeiro show, claro, ao lado de seus amigos. Continue sempre assim estaremos contigo sempre M. Shadows ! “

By : The Black Garden

 

Billie Joe Armstrong dezembro 10, 2011

Filed under: Rock Stars — theblackgarden @ 8:28 pm

Billie Joe Armstrong (Oakland, 17 de fevereiro de 1972) é um cantor dos Estados Unidos, vocalista e guitarrista da banda Green Day.

Seu pai, Andy, era um motorista de caminhão e um baterista de jazz nas horas vagas, morreu de câncer, quando Billie Joe ainda tinha dez anos de idade (10 de Setembro de 1982). Sua mãe chama-se Ollie, era uma garçonete e uma fã de música country.

 

Ele é o mais jovem de seis irmãos (David, Allen, Marcy, Holly e Anna). Viveu com a sua família em Rodeo, Califórnia, nos Estados Unidos.

Apesar de não gostar muito de dar informações de si mesmo, foi “medido” por seus fãs que espalharam na Internet fotos e comparações que constataram aproximadamente 1,70 m. Ele tem os olhos verdes e cabelos naturais da cor castanho avermelhado, apesar de nunca ter sido visto com a cor original.

 

Infância

Quando criança, Billie costumava cantar nos hospitais para animar os pacientes. Ele também gravou a canção “Look For Love” (sua primeira) e “Vini o macaquinho da mamãe” (sua Segunda), para a gravadora local Fiat Records quando ele tinha cinco anos.

 

O primeiro disco que Billie comprou foi de Elvis Presley, The Sun Sessions, mas depois de um tempo, Billie foi influenciado por amigos a gostar de bandas punks, como DOA, TSOL, Dead Kennedys e principalmente Ramones. Quando tinha apenas dez anos, ganhou um presente de seu pai antes dele morrer: uma guitarra elétrica, que ele comprou usada. Billie chamou a guitarra de “Blue”, que era uma Fernandez Stratocaster e até hoje ele usa réplicas da guitarra. Ele modificou a “Blue” colocando um Humbucker na posição da ponte, primeiro um captador Bill Lawrence, e logo depois substituiu por um Seymour Duncan JB. Mais tarde, com quatorze anos, ele escreve outra canção, “Why do You Want Him?”, feita para sua mãe, que havia terminado um relacionamento. A canção aparece no álbum de estréia do Green Day pela Lookout! Records, 1,039/Smoothed Out Slappy Hours.

 

 

O início com o Green Day

Billie e Mike se conheceram na escola, e discutiram sobre compor. Billie Joe chegou a trabalhar como entregador de pizza e limpador de piscinas.

Ainda com seus quatorze anos, Billie e Mike Dirnt formaram uma banda com o baterista Al Sobrante, The Sweet Children. Eles fizeram muito sucesso pelas redondezas fazendo pequenos concertos.

 

Em 1989, a banda mudou seu nome para Green Day e começou a sua primeira turnê. Ainda em sua primeira turnê Billie conheceu a sua atual esposa e mãe de seus filhos.

Por volta de 1991, quando o primeiro CD da banda já havia sido lançado, Al Sobrante saiu para terminar os estudos, e seu professor de bateria, Frank (Tré Cool), toma seu lugar, um pouco antes do Kerplunk, o segundo CD da banda a ser lançado.

 

Já em turnê com o Green Day, Billie conheceu Adrienne Nesser nos concertos. Ela pediu o telefone de Billie para manter contatos de como adquirir as fitas da banda, e nisso foram se falando e começaram a namorar. Mas Adrienne era de outro estado (Minnesota), tanto é que no álbum Kerplunk, Billie escreveu a canção “2000 Light Years Away”, que fala sobre estar distante de Adrienne. Em 1994 eles se casaram, e após a cerimônia, que durou apenas cinco minutos, tomaram cerveja para acalmar os nervos. Em 1995, Billie e Adrienne tiveram seu primeiro filho, Joseph Marciano Armstrong (mais conhecido como Joey), nascido em Março, e em setembro de 1998 nasce o segundo, Jacob Danger Armstrong.

 

Billie é fundador e sócio parcial da gravadora Adeline Records, que fica em Berkeley. Ele possui uma banda paralela, na qual é vocalista e guitarrista, chamadaPinhead Gunpowder, em que toca até hoje. Mais recentemente, fundou a banda Foxboro Hot Tubs, que tem como alguns dos integrantes Mike Dirnt, Tré Cool eJason White. Em maio, eles lançaram um CD e já estão em turnê pela East Bay. Além de ser vocalista e guitarrista, também sabe tocar gaita, bandolim,bateria, piano,saxofone e contra-baixo.

Vida pessoal

Em 1990, Billie conheceu Adrienne Nesser num dos concertos de Green Day durante a sua primeira turnê em Mankato, Minnesota, com quem se casou no dia 2 de Julho de 1994. No dia seguinte á cerimónia de casamento, Adrienne descobre que está grávida. Têm dois filhos: o primeiro Joseph ‘Joey’ Armstrong que nasceu em 28 de Fevereiro de 1995 e o segundo Jakob Danger Armstrong que nasceu no dia 12 de Setembro de 1998. Adrienne é fundadora da produtoraAdeline Records juntamente com Armstrong.

Curiosidades

 

  • O vocalista Billie Joe Armstrong praticamente aprendeu a cantar assim que disse suas primeiras palavras. Quando era criança, ia em hospitais cantar para alegrar os pacientes. Os seus dotes musicais começaram a emergir desde pequeno tendo gravado a sua primeira música “Look for Love” com cinco anos de idade.
  • Billie Joe conheceu Mike Dirnt quando tinha 10 anos, antes de Andy (Pai de Billie) morrer de câncer. Mike Dirnt foi um dos poucos amigos de Billie que chegou a conhecer Andy.
  • Armstrong ganhou sua primeira guitarra do pai, que a deu ao filho antes de morrer. Hoje o vocalista chama a Fernandez Stratocaster de “Blue”.
  • Em 1987, Quando Mike completou 15 anos, ele se mudou para a casa de Billie, os dois passaram a trabalhar de ajudantes de garçom no Rod’s Hickorys Pitt, neste mesmo ano Mike e Billie começaram a banda “Sweet Children” e chamaram Al Sobrante (John Kiffmeyer) para a banda, que tocava em campus e pizzarias.
  • Foi influenciado pelos amigos a gostar de bandas punks, como D.O.A., TSOL, Ramones e Dead Kennedys

  • Além de cantar e de tocar guitarra, Billie toca também harmônica, é possível vê-lo tocar no seu DVD, Bullet in a Bible, bateria, contra-baixo,bandolim, piano, um dos primeiros instrumentos que aprendeu a tocar, e aprendeu também a tocar saxofone.
  • Certa vez em um show da Nimrod. tour, uma pessoa da platéia disse algo a Billie Joe durante a música Geek Stink Breath. Billie parou de cantar na mesma hora, e passou a discutir com o “fã”. Billie literalmente chamou o indivíduo para o palco para brigar, como este não atendeu seu pedido, Billie tomou distância e pulou com os dois pés na cara do sujeito. Ao fundo, ouvia-se Mike Dirnt reprovando a atitude do suposto fã, com frases como: “Vá chorar para sua mãe, menininho!”.
  • Por outro lado, em um show, uma garota estava sofrendo com alguma brincadeira – possivelmente de empurrões ou algo assim – e Billie Joe parou de cantar a música – homecoming – para dar uma boa bronca no pessoal e dizer para deixarem a garota se divertir em paz.
  • Billie Joe possui um extensa ficha policial, por incidentes como “destruir” a Tower Records em 1997, dirigir sob a influência de álcool em Berkley, 1997, por entrar no palco nu num show de natal na Madison Square Gardens em 1994, e muitos outros. Em entrevista, foi perguntado sobre o caso em que dirigiu alcoolizado, e que poderia ter ferido alguem, e ele respondeu que é algo “que ele nunca se orgulha e que nunca, jamais, quer comentar isso a seu filho”.
  • Em 1997, Billie Joe com a ajuda de Jason White, criou a sua própria gravadora, a até então chamada “Adeline Records”, que leva o nome de sua mulher, Adrienne Nesser.
  • O site Rock.com promoveu uma sondagem aos seus visitantes, na qual a questão que se colocava era “Qual o melhor músico presidente dos Estados Unidos da América?”. O eleito pelos visitantes do site foi o vocalista e guitarrista dos Green Day, Billie Joe Armstrong. Entre os candidatos figuravam Bono (U2), Marilyn Manson que ficaram em segundo e terceiro lugares respectivamente, Ozzy Osbourne (Black Sabbath), Axl Rose e Gene Simmons, entre muitos outros.
  • A guitarra Gibson Les Paul Junior Billie Joe Signature, leva o seu nome.
  • Billie Joe usa uma réplica de sua primeira guitarra (Fernandez Stratocaster) que tem as letras BJ no seu corpo.

 

 

  • A canção “Pulling Teeth” foi escrita por Billie Joe sobre uma briga de Mike Dirnt com a sua até então atual namorada.Nessa briga mike quebrou os dois cotovelos.
  • Houve a confirmação de que os membros da banda The Network são na verdade os membros dos Green day, Billie Joe Armstrong, Mike Dirnt, Tré Cool e Jason White. Inicialmente os fãs especulavam sobre o envolvimento dos mesmos que apareciam sob os nomes falsos (pseudónimos) Fink, The Snoo, Van Gough, Captain Underpants, e Balducci, respectivamente. Quando questionado sobre a possibilidade de envolvimento de algum dos membros do Green Day no projecto The Network, Armstrong negou-o, muito devido ao diferente estilo musical dos Network (new wave) para com os Green Day. Usando máscaras, em várias entrevistas, era possível ver The Network criticar duramente os Green Day o que confundia em muito a especulação. O mesmo se passou com a banda Foxboro Hot Tubs, que já foi confirmada como sendo banda dos integrantes dos Green Day, e, cujo som se assemelha a um rock clássico dos anos 60.
  • O jogo Tony Hawk’s American Wasteland tem Billie Joe como um personagem oculto.
  • Billie Joe, por conseqüencias desconhecidas, tocou pelado a música She em um show ao vivo na Madison Square Gardens, em 1994.
  • Billie Joe Armstrong tinha 10 anos quando seu pai morreu de câncer. No funeral, Billie não podia lidar com isso, então ele correu para sua casa e se trancou em seu quarto. Sua mãe preocupada correu atrás dele, ao encontrar a porta fechada, ela lhe pediu para sair, mas ele apenas disse: “Wake me up when september ends” (pai de Billie morreu em setembro).
” Billie Joe Armstrong para mim é alguém sem comparações, ele é sem duvida alguma meu maior ídolo, uma figura a quem me identifiquei  desde a primeira vez que o vi em um palco, saber coisas da vida dele só fizeram esse amor de fan aumentar, um alguém inteligente de mais, criatividade de sobra, uma voz sem igual, Billie joe…estarei com você e com o Green Day até os últimos dias de minha vida ! “
By : The Black Garden

 

 

 

Dave Grohl dezembro 8, 2011

Filed under: Rock Stars — theblackgarden @ 9:13 pm

David Eric Grohl

(Warren, 14 de Janeiro de 1969) é ex-baterista da banda Nirvana e atual vocalista e guitarrista dos Foo Fighters e baterista da bandaThem Crooked Vultures dos Estados Unidos da América.

Biografia

Sua prima Tracy, que Dave visitava constantemente em Illinois, foi a responsável por apresentar-lhe aopunk rock. Sua coleção de discos do gênero, que contava com bandas de todo o mundo, fez com que o jovem se interessasse pelo som. Foi ela, aliás, quem o levou ao seu primeiro show de hardcore de sua vida.

Dave começou então a freqüentar eventos da cena rock da cidade de Washington. Enquanto o movimento musical tomava dimensões nacionais, começou a crescer também no garoto o desejo de participar dele. E foi na banda Freak Baby que ele teve sua primeira experiência no mundo da música.

Convidado pelos membros do conjunto, em um show de outra banda, para tocar com eles, Dave Grohl encantou-os primeiramente com sua guitarra, mas, após a saída do baterista do grupo, ele assumiu as baquetas, melhorando bastante a qualidade do conjunto, que passou a chamar-se Mission Impossible e ganhou importância no cenário em questão.

Porém, no verão de 1985, a banda separou-se para que dois de seus integrantes fossem à faculdade. Dave Grohl foi então contratado para tocar numa banda chamada A.O.C. A nova formação culminou em uma mudança de nome; o trio passou a se intitular Dain Bramage, que logo assinou contrato com o selo californiano Fart Blossom para lançar seus CDs.

Porém, muitas coisas interferiram para que o Dain Bramage jamais saísse em turnê. Uma delas foi a mudança na banda Scream, uma das principais na cena punk da cidade de Washington e que já tinha sucesso internacional, inclusive com shows na Europa em seu currículo. Kent Stacks, o baterista original, passava por problemas familiares e teve de deixar a banda. Depois de anúncios e testes sem sucesso, a banda finalmente recebeu Dave Grohl, fã declarado do Scream, para uma experiência. E, com atitude e técnica, ele assumiu as baquetas da banda com apenas 17 anos de idade.

Dave participou de turnês estadunidenses e européias com a banda Scream, além de estar presente, como músico e compositor, nas gravações de dois CDs. Nessa época, o músico começou a usar o estúdio para gravar material solo; em faixas múltiplas, Dave tocava todos os instrumentos e ainda cantava.

Em 1990, com o fim repentino da banda em Los Angeles, surgia a grande oportunidade da vida de Dave Grohl. Kurt Cobain e Krist Novoselic haviam visto um show do Scream em São Francisco e se encantaram com o novo baterista da banda. Em um teste, Dave mais uma vez encantou os rapazes, que viram nele o membro ideal para seu conjunto. Finalmente o Nirvana tinha um baterista à altura.

Dave participou de turnês estadunidenses e européias com a banda Scream, além de estar presente, como músico e compositor, nas gravações de dois CDs. Nessa época, o músico começou a usar o estúdio para gravar material solo; em faixas múltiplas, Dave tocava todos os instrumentos e ainda cantava.

Em 1990, com o fim repentino da banda em Los Angeles, surgia a grande oportunidade da vida de Dave Grohl. Kurt Cobain e Krist Novoselic haviam visto um show do Scream em São Francisco e se encantaram com o novo baterista da banda. Em um teste, Dave mais uma vez encantou os rapazes, que viram nele o membro ideal para seu conjunto. Finalmente o Nirvana tinha um baterista à altura.

Dave declarou que no Scream sentia-se tocando com sua família, enquanto que, no Nirvana, ele era apenas parte de uma banda. Talvez até por isso ele tenha, nesse período, gravado tanto material solo; sua música era, para ele, uma fuga desse cenário. O material que ele gravou nessa época – no período de “In Utero” do Nirvana – foi uma espécie de protótipo para o que hoje conhecemos como FooFighters.

Com o auxílio de uma gravadora da cidade de Washington, o músico lançou, sob o misterioso nome Late, a fita “Pocket Watch”. As músicas, gravadas somente por Dave Grohl, tocando todos os instrumentos com auxílio de múltiplas faixas de gravação, revelaram definitivamente seu talento como compositor. Porém, por alguns motivos, Dave preferiu não lançar a fita de maneira solo; os interessados tinham que correr atrás para descobrir quem estava por trás do Late.

Antes do seu trágico fim, em 1994, o Nirvana ainda lançou o álbum “In Utero”, do sucesso “Rape Me”; uma tentativa de voltar a um som mais pesado, mas que dividiu as opiniões de fãs e especialistas. Menos acessível, o CD não era voltado ao grande público, assim como o anterior. Com o suicídio de Kurt Cobain, Dave Grohl se afastou um pouco da música e da mídia.

Mike Watt foi quem encorajou Dave a voltar para a música, convencendo-o a tocar bateria em seu álbum solo. Após essa experiência, novamente em múltiplas faixas, Dave Grohl gravou, sozinho e em apenas cinco dias, as 17 faixas do que viria a ser o primeiro álbum do Foo Fighters.

O nome da banda é uma gíria usada pela Força Aérea Nacional estadunidense como sinônimo para OVNIs durante a Segunda Guerra Mundial. Escolhendo montar um grupo ao invés de simplesmente contratar músicos como apoio a uma carreira solo, Dave recrutou Pat Smear, de quem se tornou amigo em sua última turnê com o Nirvana; o guitarrista havia sido contratado pela banda para dar maior liberdade a Kurt Cobain.

William Goldsmith, baterista, e Nate Mendel, baixista, que vieram da banda Sunny Day Real State, completaram a primeira formação do Foo Fighters, naquela altura definitivamente pronto para lançar seu primeiro CD. Em 1995, a banda lançava seu homônimo álbum, o primeiro do novo grupo de Dave Grohl.

Dave envolveu-se no ínicio dos anos 90 com a Riot Grrrl , Kathleen Hanna da banda Bikini Kill e com a baixista da banda L7, Jennifer Finch. Dave Grohl casou-se duas vezes. A primeira vez foi com a fotógrafa Jennifer Youngblood de 1993 à 1997. Depois do divórcio, Grohl teve relacionamentos com Louise Post de Veruca Salt, com a artista solo e também com a baixista da banda Hole, Melissa Auf der Maur, e com uma snowboarder profissional, chamadaTina Basich.

Finalmente ele casou-se com sua segunda esposa, uma produtora da MTV chamada Jordyn Blum em 2 de Agosto de 2003, em Los Angeles. Entre os convidados para a cerimônia estavam Clive Davis, Jack Black, e seu ex-companheiro de Nirvana Krist Novoselic. No dia 15 de Abril de 2006, Grohl e sua esposa comemoraram a chegada de sua primeira filha, Violet Maye. Seu nome foi escolhido em homenagem à avó materna de Dave Grohl. Em 17 de Abril de 2009, nasceu a segunda filha do casal, Harper Willow. Há pouco teve seu nome num escândalo com Courtney Love.

O Reencontro

Depois de concluir o album Wasting Light em meados de Fevereiro de 2011, Grohl alugou um estúdio em Los Angeles para ensaiar a música, só ele, Novoselic, e o ex-guitarrista do Nirvana, Pat Smear, integrante permanente do Foo Fighters.

“Nós tocamos a música (Marigold) inteira e pensamos ter acabado,” Diz Grohl. “Éramos só nós três no estúdio e Krist disse, ‘Você tá afim de tocar uma das antigas?’, e eu disse, ‘Hmm…Ok’ porque nunca tínhamos feito isso antes. Nunca.”

Novoselic tinha uma música em particular. “Krist disse, ‘Dane-se, vamos tocar (Smells Like) Teen Spirit. E então tocamos Teen Spirit.”

A única pessoa além dos três no prédio inteiro era Scott, o dono do estúdio. “Scott abriu a porta e nos ouviu tocando Teen Spirit, parou por um segundo, ficou meio confuso e fechou a porta.”

“Depois que terminamos, Scott disse, ‘Ei pessoal, essa é muito boa – Vocês deviam ficar com ela.”

Grohl e Smear ainda parecem assustados com a coisa mais próxima de uma reunião do Nirvana que o mundo já viu.

“É meio esquisito,” diz Grohl.

“É bastante esquisito,” ressalta Smear.

“Eu nunca pensei que fosse acontecer,” complementa Grohl.”Mas aconteceu. Simples assim. Do melhor jeito que poderia acontecer.”

Outros Projetos

Não é apenas com o Foo Fighters que Dave Grohl se ocupa.

Em 2002, ele participou do CD “Songs For The Deaf” da banda Queens of the Stone Age tocando bateria e fazendo alguns shows.

Dave também participou do filme “Tenacious D, a palheta do Destino” e no clipe “Beelzeboss” da banda Tenacious D, formada por Jack Black e Kyle Gass, fazendo o papel do demônio no filme, além de participar como baterista de todo o álbum The Pick of Destiny.

Em 2004 ele lançou o Probot, projeto que reuniu grandes nomes do metal, e ídolos de Dave Grohl, como Lemmy (Motörhead), Max Cavalera (Sepultura, Soulfly), Cronos (Venom) entre outros para gravar um álbum de nome Probot, com onze faixas, lançado pela Southern Lord Records.

Em 2005 participou como baterista do álbum With Teeth do Nine Inch Nails.

Em 2009, junto com John Paul Jones (Led Zeppelin) e Josh Homme (Queens of the Stone Age), Grohl formou a banda Them Crooked Vultures, na qual ele toca bateria.

Além disso, Dave já tocou com os músicos mais importantes do mundo, sendo em shows ou participações em programas, dentre eles:

  • Bruce Springsteen
  • Chris Martin
  • David Bowie
  • Eagles of Death Metal
  • Eddie Vedder
  • Gnarls Barkley
  • Jack White
  • Jimmy Page
  • John Paul Jones
  • Juliette Lewis
  • Lars Ulrich
  • Lemmy Kilmister
  • Paul McCartney
  • Peter Frampton
  • Queen
  • Rush
  • Queens of the Stone Age
  • Red Hot Chili Peppers
  • R.E.M.
  • Serj Tankian
  • Slash
  • Tenacious D
  • The Prodigy
  • Tom Petty & The Heartbreakers
  • Trent Reznor – Nine Inch Nails
  • Max Cavalera
  • Alanis Morissette
  • Joan Jett
  • Roger Waters
” Tocar em diversas bandas, entrar para a história com uma delas, fixar seu nome a lembrança desta mesma, e ainda assim após o término dela, erguer uma nova assumindo a liderança e mostrando todo o trabalho q havia acumulado e preparando muito mais, ter criatividade de sobra para compor musicas para projetos paralelos as vezes muito diferentes de seu projeto principal é coisa para poucos, Dave é um desses e eu jamais conseguiria imaginar tudo o que esse cara ainda tem a nos mostrar…..”
By : The Black Garden
 

Joey Jordison dezembro 7, 2011

Filed under: Rock Stars — theblackgarden @ 5:04 pm

Nathan Jonas Jordison ( Joey Jordison )

 (Des Moines Iowa 26 de Abril de 1975), mais conhecido como Superball, é um baterista estadunidense integrante representado pelo número #1 na banda vencedora do Grammy Slipknot e também toca na banda Murderdolls. Foi eleito pela revista inglesa ‘Rythm’, o melhor baterista do mundo nos últimos 25 anos

Jordison rapidamente desenvolveu um interesse em música, aprendendo a tocar violão e tambores. Ja se juntou várias bandas em toda a sua elevada idade escolar, o que levou a ele ser convidado a aderir na The Pale Ones, aos 20 anos de idade. Jordison imediatamente adorou a idéia e rapidamente se tornou envolvido em todos os aspectos da banda, que evoluiu para o Slipknot. Jordison da dedicação à música e performances levou a trabalhar com muitas outras bandas durante sua carreira, incluindo os Metallica, Korn, Ministry, Satyricon, OTEP, System of a Down, Marilyn Manson e 3 Inches of Blood.

Biografia

Início da vida

Jordison nasceu no hospital Mercy, em Des Moines, Iowa, em 26 de abril de 1975. Ele cresceu em uma área rural fora do Waukee. Ele teve interesse na música desde a idade na escola, atribuindo-o para a influência de seus pais, “eles sempre me deram um sábado na frente do rádio, em vez da televisão.” Ele começou a formar sua primeira banda, no ensino fundamental. Tocou guitarra até receber o seu primeiro kit de bateria como um presente de seus pais aos oito anos de idade. Num certo periodo, os pais de Jordison se divorciaram, ele e seus dois irmãos mais jovens permaneceram com sua mãe. Jordison, declarou ele sentiu uma súbita responsabilidade de ser o homem da casa, e esta responsabilidade transformou-o em uma pessoa mais madura.

Jordison disse que no seu tempo na escola: “Eu era muito introvertido e não tinha muitos amigos.” Suas notas não eram das melhores devido ao seu foco na música. Apesar de estar envolvido em vários projetos, ele fez a sua primeira banda chamada Grave quando ele tinha 15 anos, ele formou o Modifidious, na qual ele tocou bateria, mais tarde ele descreveu-as como “tenho velocidade e por isso vou tocar numa banda de Thrash Metal.” A banda de Jordison ajudou a abrir novos caminhos, para tocar ao vivo em multidões de apoio com bandas locais, incluindo Atomic Opera, que apresentou James Root e chefes do On The Wall, que incluiu Shawn Crahan. Depois de uma multiplicidade de mudanças, incluindo a presença de Craig Jones e Josh Brainard que viria a aparecer no Slipknot, a banda lançou dois demos em 1993.

Depois de sair da escola ele foi contratado para trabalhar em uma loja de discos local chamada Musicland. No entanto, em Março de 1994, após uma recomendação de um amigo, ele conseguiu um emprego numa garagem Sinclair em Urbandale trabalhando no turno da noite. Jordison preferiu o turno da noite, porque ele deixou a sua semana livre e ele poderia associar-se com os amigos e ouvir música enquanto trabalhava. No início de 1995, desfez o Modifidious devido à mudança no interesse de thrash metal e death metal. Na sequência, Jordison juntou uma banda local chamada The Reject’s como guitarrista, com quem tocou apenas em shows. Ele também foi envolvido em uma banda chamada Anal Blast com Paul Gray, no entanto, isso foi formada em parte como uma piada. Gray também tentou recrutar-lo para outra banda, Body Pit, mas ele declinou o convite para permanecer no The Reject’s

Slipknot

Em Setembro de 1995, Joey foi abordado enquanto estava trabalhando, lhe ofereceram uma posição em um novo projeto chamado The Pale Ones. Ele aceitou o convite. Referindo-se a este momento, ele conta sobre o seu esforço para não sorrir. Ele enfrentou uma série de preconceitos a respeito do Slipknot e sua entrada na banda foi bastante discutida pelos membros já definidos. Atualmente ele é considerado um dos mais dedicados membros e está envolvido na maioria dos trabalhos, incluindo criação e produção, além de desenvolver projetos com a gravadora (Roadrunner Records) e é declaradamente o “primeiro a chegar e o último a sair.” É o mais baixo integrante da banda com 1,63 m de altura. Costumam chamá-lo de “Pequeno Notável”.

Joey tem preferência pela guitarra em relação a bateria.

Ao longo de sua carreira vem fazendo participações especiais para várias bandas, entre elas Avanga, The Havenots, Anal Blast, The Regects, Satyricon, American Head Charge, Ministry, Metallica… entre outras. Em 2007, esteve como baterista temporário da banda Korn (acompanhando-os, inclusive, no palco da edição Rock Am Ring daquele ano).

Em 2008 retomou o trabalho com o Slipknot para as gravações do quarto CD All Hope Is Gone.

Joey é o #1 (numeração correspondente aos integrantes do Slipknot, variando entre 0 e 8 – total de 9 integrantes). Usa uma máscara kabuki-japonesa branca, bastante simples e sem expressão. Durante o Ozzfest de 1999, Joey fez algumas pinturas que deram mais vida à sua máscara. A banda mantém a tradição de trocar suas máscaras, incluindo os uniformes, a cada álbum lançado.

Ao longo de sua carreira vem fazendo participações especiais para várias bandas, entre elas Avanga, The Havenots, Anal Blast, The Regects, Satyricon, American Head Charge, Ministry, Metallica… entre outras. Em 2007, esteve como baterista temporário da banda Korn (acompanhando-os, inclusive, no palco da edição Rock Am Ring daquele ano).

Em 2008 retomou o trabalho com o Slipknot para as gravações do quarto CD All Hope Is Gone.

Joey é o #1 (numeração correspondente aos integrantes do Slipknot, variando entre 0 e 8 – total de 9 integrantes). Usa uma máscara kabuki-japonesa branca, bastante simples e sem expressão. Durante o Ozzfest de 1999, Joey fez algumas pinturas que deram mais vida à sua máscara. A banda mantém a tradição de trocar suas máscaras, incluindo os uniformes, a cada álbum lançado.

Murderdolls

Enquanto fazem shows no Ozzfest em 2001, ao mesmo tempo que apoia o Slipknot, Jordison reuniu o Tripp Eisen, depois de Static-X, e os dois discutiram formando um lado projetoso. [8] Em 2002, Jordison reavivou sua banda a The Reject’s, renomeando-lhes com o nome Murderdolls. Jordison tornou-se o guitarrista e ele contratou Wednesday 13, do Frankenstein Drag Queens From Planet 13, para tocar baixo. Acabaria por deslocar-se para vocalista, enquanto Ben Graves, Eric Griffin, Acey Slade e completou a banda. A banda assinou com a Roadrunner Records e lançaram um EP intitulado direito de permanecer violentos. O Murderdolls retornaria em Agosto de 2002, com sua estréia álbum Beyond the Valley of the Murderdolls. A banda utiliza filmes de horror, incluindo o Sexta-feira 13 e A Noite dos Mortos Vivos, como uma inspiração de suas letras. Em 30 de outubro de 2002, o Murderdolls fez uma aparição em um episódio de Dawson’s Creek, intitulado “Living Dead Girl”

Outros esforços musicais

Em 2001, Joey fez uma remix de “The Fight Song” do Marilyn Manson, alguém usou sua máscara aparecendo em um vídeo para a música de Manson da capa de “Tainted Love”. No final do ano Manson revelou que Jordison tinha vindo a trabalhar com ele em seu novo álbum, o intitulado The Golden Age of Grotesque, Jordison trabalhava como guitarrista porém, ele não aparece no álbum. Em 2004, Joey apareceu no álbum House of Secrets do “Otep”, na percussão de seis faixas para o álbum. Em 2008, Jordison apareceu no álbum dos Puscifer’s o “V” os for Viagra.

Curiosidades

Ele começou a gostar do estilo metal quando aos seis anos de idade viu no jornal que Ozzy Osbourne tinha arrancado a cabeça de um morcego com a boca, “Imediatamente pensei que Ozzy era o melhor!”, diz

Fez parte de um projeto da Roadrunner Records chamado “Roadrunner United”, que consistia num grupo formado por membros das várias bandas ligadas à editora.

No verão de 2007, foi o baterista do Korn durante a sua turnê nos Estados Unidos e na Europa, desconhecendo-se ainda a existência de qualquer colaboração de estúdio com esse grupo.

Já se apresentou com o Metallica, ao substituir Lars Ulrich em um show. E acabou usando sua máscara na apresentação.

O Slipknot cancelou a turnê de 2008 na Europa porque o baterista Joey Jordison quebrou seu tornozelo.

Recentemente, Joey afirmou em uma entrevista que enfrentou problemas com drogas antes das gravações de All Hope Is Gone.

Confirmou em uma entrevista que fez sexo com sua ex-noiva usando sua mascara.

Fonte : http://pt.wikipedia.org/wiki/Joey_Jordison

”  O melhor baterista vivo na minha opinião sem dúvidas disso, Uma vez me disseram enquanto eu estava ouvindo Vendetta  : – É ? Mas eu toco bateria também… Minha resposta foi : -Sério ? Na vertical ou na horizontal ? Então nunca mais  me interrompa com esse papo quando eu estiver escutando Slipknot ! “

By : The Black Garden

 

Synyster Gates

Filed under: Rock Stars — theblackgarden @ 4:31 am

 

 

 

 

 

 

Brian Elwin Haner Jr.

Synyster Gates, (nome de nascimento Brian Elwin Haner, Jr.) é o guitarrista solo da banda americana de Heavy Metal Avenged Sevenfold. Syn, como também é conhecido nasceu em 7 de julho de 1981 em Huntington BeachCalifornia, filho do támbem guitarrista Sr. Brian Haner (também conhecido como Papa Gates) e filho adotivo da hipnotizadora, Suzy Haner .Ele também tem o irmão Brent, a meia-irmã McKenna, e o irmão Johnny.

 

 

 

 

 

 

Synyster é muito elogiado pelos seus solos de guitarra e sua atuação na banda Avenged Sevenfold. Syn também já tocou na banda Pinkly Smooth juntamente com The Rev. Gates também ficou famoso por adotar a técnica de efeitos na guitarra, ou seja, nos seus 16 anos de idade montou sua própria guitarra Les Paul com distorção, Delay, termolo, e diversos efeitos.

 

 

 

 

História

Synyster Gates obteve sua primeira guitarra em torno dos dez anos de idade. Seu pai, Brian Haner, desencorajou o filho com a música, porque ele pensou que iria interferir com o resto de sua vida contemporânea. No entanto, Synyster ignorou as advertências de seu pai, e apesar de suas dúvidas, aprendeu a tocar guitarra. Seu pai, vendo seu potêncial e talento, decidiu então ensinar seu filho tocar o instrumento, e com sua ajuda, Synyster Gates foi de tocar Stairway to Heaven, música preferida dele. Ele também aprendeu uma música de ouvido com doze anos.

 

Synyster Gates ingressou no colégio Ocean View High School, em Huntington BeachCalifórnia e no Mayfair High School, em LakewoodCalifórnia, já como adolescente. Mais tarde ingressou na Musicians Institute em Hollywood, e como parte do programa GIT, estudou “Jazz Guitar”.

Gates juntou-se ao Avenged Sevenfold quando ele tinha 18 anos, no final do ano de 1999, logo antes da gravação do primeiro álbum da banda, “Sounding the Seventh Trumpet”. Ele participou do EP ” Warmness on the Soul “, e sobre a re-emissão do primeiro álbum. Ele também toca piano para a banda em músicas como ” “Beast and the Harlot” e “Sidewinder”, substituindo no piano o ex-baixista da banda Justin Meacham, embora este ainda tenha tocado no EP. O nome “Synyster Gates” surgiu quando ele estava bêbado junto com Jimmy Sullivan (The Rev) e disse “Eu sou o Synyster Gates e estou apavorando!”.

Gates cita Django ReinhardtFrank Gambale, Adam Aparicio, Basillios, Dimebag DarrellSlash, Francis Canavan, Jimmy Page e John Petrucci como seus guitarristas favoritos e onde tira grande influência. Ele já ganhou inúmeros prêmios, incluindo o “Young Shredder” do ano pela Metal Hammer Awards em 2005 e o prêmio “Guitarrista do Ano” pela revista “Total Guitar” em 2006. Synyster Gates também foi membro do projeto-paralelo Pinkly Smooth com The Rev e o ex-baixista da banda, Justin Sane. Pinkly Smooth entrou em hiato indefinido quando Syn e The Rev resolveram se dedicar em tempo integral ao Avenged Sevenfold, e acabou com a morte de The Rev.

Curiosidades

  • Os guitarristas favoritos de Synyster são John PetrucciFrank Gambale, Adam Aparicio, Basillios, Dimebag DarrellSlash, Francis Canavan, eDjango Reinhardt
  • O nome “Synyster Gates” surgiu quando ele tinha 17 anos. Eu estava com o Jimmy Sullivan (The Rev). Estavámos muito bêbados e dirigimos em volta do parque com o carro do James. Eu estava dirigindo e do nada falei “Eu sou o Synyster Gates e estou apavorando!” Não sei por que eu disse isso, mas agora esse é o meu nome! disse Syn em uma entrevista.

 

 

 

 

 

  • O pai de Synyster Gates, Sr. Brian Haner (Também chamado de Papa Gates) também é guitarrista e é o guitarrista acústico oficial do Avenged Sevenfold, participando do álbum City of Evil nas gravações das músicas “Sidewinder”, “Beast and the Harlot” e “M.I.A.”.
  • Synyster estudou “Jazz Guitar” quando era criança.
  • Namorou por três anos e meio com Michelle DiBenedetto, irmã gêmea de Valary DiBenedetto, esposa de seu companheiro de banda, M. Shadows. Os dois se casaram em 07 de maio de 2010.
  • Gates e o baterista The Reverend já tocaram na banda Pinkly Smooth juntamente com o ex-baixista do Avenged Sevenfold, Justin Sane. Durante a turnê do disco City Of Evil do Avenged Sevenfold eles saíram da banda para se dedicar apenas ao Avenged em tempo integral. Perguntados sobre o Pinkly Smooth, The Rev e Synyster revelaram que tinham planos de voltar a tocar juntos no Pinkly.

 

 

 

 

 

  • Syn e o vocalista do A7XM. Shadows fizeram uma participação na música “The River” da banda estadunidense Good Charlotte.
  • Synyster Gates fez sua primeira tatuagem com 15 anos, um número um sobre o seu polegar.Quando questionado ele disse: “Eu era jovem e pensei que seria legal”.
  • Synyster Gates ganhou o prêmio de “Melhor Guitarrista do Ano” em 2006 pela revista Total Guitar Magazine, o prêmio “Young Shredder” do ano pela Metal Hammer Awards em 2005 e o prêmio de melhores guitarristas do ano pela Revolver Golden Gods Awards em 2010 junto com Zacky Vengeance.

 

 

 

 

Synyster é alérgico a abelhas. Quando tinha nove anos, sofreu um ataque do inseto, sendo hospitalizado com risco de morte.

Synyster fez uma participação especial nas músicas “Dirty Little Girl“, na qual também aparece no clipe; e “Anejo“, da banda Burn Halo.

Foi eleito pela revista britânica Kerrang! o homem mais sexy do ano, em 2008.

A revista Guitar World classificou Gates como um dos 50 guitarristas mais rápidos de todos os tempos.

Junto com seu pai, Brian Haner Sr., escreveu e gravou a música tema para o The Jeff Dunham Show.

Foi recentemente citado pela revista Guitar World como um dos 30 guitarristas mais legais de todos os tempos, também aparecendo na capa da edição, junto com Joe Perry.

Syn tem uma cachorrinha chamada Pinkly.

Syn já escorregou duas vezes em uma das plataformas colocadas acima do palco e caiu no chão.

Ele é aficionado por armas.

Ele desenha suas proprias guitarras, um desses seus modelos está a venda.

As vezes ele fica do lado esquerdo do palco(no caso, o show ocorre do lado direito)

Syn tem um estúdio de gravação dentro de casa, onde ele gasta maior parte de seu tempo.

Tinha tantos chapéus que tinha uma caixa só para isso, onde The Rev gostava de sentar em cima enquanto viajavam com a banda

 

 

 

 

Guitarras

Syn atualmente está patrocinado pela Schecter Guitar Research, assim como seu companheiro de banda, Zacky Vengeance, está.

  • Syn utiliza seu modelo personalizado “Synyster”, que são híbridas de alguns modelos personalizados.
  • Um C-1 FR branco com captadores Invader brancos.
    • Syn também possui várias variações do seu modelo “Synyster”, por exemplo (todos os seguintes são do formato Avenger/Synyster) uma bandeira Americana, uma bandeira Alemã, uma bandeira Rebelde, preta com listras vermelhas e branca com listras douradas, como pode ser vista no clipe da música “Afterlife”. A guitarra branca com listras douradas está disponível e foi limitada na produção para apenas 100.

A maioria, se não todas, das guitarras que Syn possui são personalizadas. Syn utiliza captadores Seymour Duncan SH-8 personalizados em suas guitarras e também um captador com o sistema sustaniac. Ele utiliza a afinação em DROP D na maior parte do tempo. Ele utiliza a afinação Db nas músicas “Almost Easy”, “Radiant Eclipse”, “Scream”, e outras.

No passado, Syn utilizava uma Gibson Les Paul, uma Parker Fly, B.C. Rich Mockingbird e Ibanez RG Prestige.

Fonte : http://pt.wikipedia.org/wiki/Synyster_Gates

”  Synyster é um dos mais brilhantes guitarristas que o mundo teve a honra de conhecer, Talento de sobra e mil idéias na cabeça tornam Gates um músico brilhante, tanto como back vocal como guitarrista, ele sempre impressiona, eu costumo dizer que se você entende de música, você entende o alto nível de Synyster Gates “

By : The Black Garden 

 

 

Oliver Sykes dezembro 6, 2011

Filed under: Rock Stars — theblackgarden @ 6:02 pm

Oliver Sykes

Oliver Sykes (Oliver Scott Sykes) nascido em 20 de Novembro de 1986, é o atual vocalista da banda de deathcore, Bring Me The Horizon, de Sheffield, Inglaterra.
Oliver é o vocalista da banda desde que ela foi formada, ela foi formada por Oliver e ex-membros de bandas locais, O nome Bring Me the Horizon veio do filme Piratas do Caribe, quando o capitão Jack fala “Bring Me That Horizon” posteriormente o nome da banda  veio a ser alterado, nos shows do Bring Me the Horizon, Oliver proíbe que seus fãs assistam seus shows com maquiagem de lágrimas, pois ele diz que apesar do que dizem do seu visual ele não gosta de emos e muito menos sua banda é uma banda emo. A banda também já tocou com ícones do Heavy metal como Iron Maiden, Slayer entre outros.
‘Oli”, como gosta de ser chamado, viveu na Austrália somente até os cinco anos de idade, em seguida, mudou-se para Stocksbridge, após a mudança, estudou na Stocksbridge High School, mesmo colégio onde estudaram quatro integrantes da banda Arctic Monkeys. Enquanto ainda era estudante, ele começou a fazer compilações de CD’s e faixas curtas.

 

 

Incident em Nottingham
, no Reino Unido ouveram acusações contra Sykes, dizendo que ele urinou e agrediu um fã após um show em Nottingham Rock City, quando ela se recusou a ter relações sexuais com ele. Mais tarde ele foi acusado de urinar sobre a fã, mas não com agressões físicas, mas ele se recusa.
A 13 abril de 2007 Sykes apareceu em Nottingham Magistrados Tribunal, acusado de agressão comum em relação ao alegado incidenteem que  havia urinado no ventilador .

O caso foi adiado até início de maio. Em 3 de maio de 2007, o Tribunal participou Sykes Magistrados Nottingham, e pela segunda vez e declarou ele não culpado. O caso foi novamente adiado até 17 setembro de 2007. Devido à falta de provas, todas as acusações contra Sykes acabaram.

vídeo no YouTube
Durante uma turnê, Bring Me The Horizon e Architects, foi filmado um vídeo mostrando brigas entre Oliver Sykes e Sam Carter. O vídeo foi filmado em um evento em Karlsruhe, Alemanha, e Sam Carter parecia estar a cometer atos de violência física contra Oli. O vídeo foi adicionado on-line site de vídeos YouTube, atraindo milhares de hits. Este vídeo fez fãs de Bring Me the Horizon enviar e-mails para jurar Sam Carter.No entanto, depois de Sam Carter disse que era uma piada e que “não entendia como as pessoas podem acreditar tanto no vídeo.” Ele disse que era realmente ridículo.

“Bem digam o que quiserem podem até “Crusify me” mas o que eu penso sobre esse cara é muito confuso,  Sykes grava um bom som, mas quem já deu uma escutada em sua performance “live”  sempre tem o mesmo comentario “ELE NÃO VAI CANTAR?” ,,  isso por que ele canta duas frases e conta com o publico após isto, e assim por diante, eu particularmente acho muito podre, mas as em estúdio compensam com certeza o “live” de Oli.

Enquanto a dizer q odeia “Emos” e proibir gente maquiada de assistir seus shows é um pouco de frescura ,  mas o que é um  Rock Star sem frescuras não é mesmo???

e podem me crustificar aqui de novo se assim quiserem , mas pra quem tem preconceito com emo, pensa nessa ultima fotom oli sem tatuagens, e com um pouco menos de cabelos dos lados , e digam me com quem ele ta parecendo 

… … …   xD

Mas Oli,  We Still Loving Your Song!

BY: The Black Garden.